domingo, 2 de janeiro de 2011

Domingueira Poética - 02 / 01 / 2011


Querid@s Amig@s,

Nesta primeira Domingueira Poética de 2011, compartilho com Vocês o texto que o nosso querido poeta mineiro, granberyense e ferroviarista Affonso Romano de Sant´Anna encaminhou para a nossa amiga em comum Ivany Lessa:


À ESPERA DO AMANHÃ

- Affonso Romano de Sant'Anna


Vou dizer uma coisa banal: sem o mito do amanhã não existiríamos. Digo e assumo essa fundamental banalidade. Não fora o amanhã secaríamos à beira dos caminhos. O amanhã é que fermenta o hoje, que fermenta o ontem.


Por que migram as aves sobre os oceanos?


Por que os peixes sobem cachoeiras procurando as nascentes do futuro?


Os animais, aves e insetos ao redor, nos dão lição de aurora.


Ganhei duas crisálidas de borboletas. Aprendi a ver nesses casulos as asas que se desenharão em algum céu. Seguro nas mãos essas formas vivas disfarçadas de vegetal. Imagino o futuro dessas células. Mas tal imaginação não é privilégio só meu. No meu quarto, dependuradas num vaso de samambaia, duas crisálidas me contemplam a mim. Elas sabem, mais que eu, a que horas duas estupendas borboletas sairão do útero do tempo para esbaterem contra as vidraças do dia.


A trepadeira no terraço, que avança dois-três contímetros cada jornada, seguindo o fio de náilon do tempo, me ensina a direção das coisas. O vento sopra pelas costas de suas folhas e ela navega verde na pilastra como uma caravela reinventando seu concreto mar.


O suicida é o que decretou a morte do amanhã.


O idealista é o viciado que toma o amanhã nas veias, aspira-o, esfrega-o nos olhos e gengivas.


No entanto, dizemos: "está difícil", "a vida está dura", "assim não é possível", "esse país não tem mais jeito", mas no dia seguinte, amarfanhados, caminhamos junto ao mar para saudar a aurora.


Sábia é a natureza, nos dizem. Olhai os lírios do campo, eles passam a vida tecendo e fiando a manhã. E o jardineiro que parece um perverso podador, tão-somente antecipa a floração da vida com suas lâminas de dor.


Em busca do amanhã as cobras perdem sua pele.


Penas caem na muda da plumagem airosa dos airões.


Cães ladram pressentindo o terremoto, que os homens sequer percebem. Os cães, quando uivam para a Lua, estão à sua maneira saudando o cio das madrugadas.


Em busca do amanhã uma nave passou por Marte e segue rumo a Urano.


Alguns pré-videntes já estão legislando a constituição do amanhã. E se acabarem com o amanhã aqui, ele continuará com outros seres menos ferozes em outras galáxias, mais humanas, talvez.


É assim que Penélope tecia e destecia seu amor nos fios da madrugada esperando Ulisses atracar na enseada.


É assim que Sísifo- o mais otimista dos deuses condenados- sempre rolava montanha acima a pedra que sempre rolava montanha abaixo.


É assim que Fênix- a fabulosa ave queimada nos desertos da Arábia- renascia das próprias cinzas e cantava transfigurada.


Deus é o renovado amanhã.


O que fazem os amantes pelos bares e praias, junto às árvores de noturnas ruas e nos leitos secretos, senão cumprir o ritual de crença no amanhã.


E o ano mais uma vez termina. E estamos comendo e bebendo as horas que faltam e ansiando por um novo dia. Também são assim os primitivos, quando celebram o potlach. Vão destruindo os objetos, as memórias que ficaram para reinaugurarem um ano novo.



Oh, amanhã! Os que vão viver te saúdam.



( Fizemos bem em resistir - Editora Rocco )



Um 2011 abençoado para todos (as) nós!

Abraços / beijos,
Victor




Um comentário:

  1. Lindo poema de um grande poeta, meu mestre, sempre!
    Celi Luz

    ResponderExcluir